Boletim nº. 4

Transplantando a sobrancelha
(05/03/2004)

Transplantando a sobrancelha Embora não seja comum, algumas vezes me perguntam sobre o transplante para a sobrancelha (o termo médico é supercílio).

Trata-se, na grande maioria, de mulheres acima dos 40 anos que gostariam de engrossar a pouca quantidade de pêlos que ainda existem nesta região. A causa mais freqüente da perda de pêlos no supercílio é por excessiva e constante retirada, prática comum na adolescência.

Mais raramente, uma consulta tem por objetivo saber se é possível transplantar cabelo para os cílios. Normalmente, estes casos resultam de um trauma, como queimaduras ou acidentes automobilístico com perda de tecido da pálpebra.

Seguem minhas considerações em relação às duas situações.

Antes de mais nada, é importante lembrar que o cabelo que será implantado, nos dois casos, será retirado do couro cabeludo (evidentemente da própria pessoa), e portanto crescerá com as mesmas qualidades dos cabelos da área chamada doadora, à saber: o cabelo crescerá num ritmo de aproximadamente 1 cm ao mês, podendo ser crespo e mantendo a mesma coloração. Portanto, ao se indicar um transplante seja para os cílios, seja para os supercílios, devemos explicar estes detalhes ao paciente.

Na minha opinião, praticamente não existem indicações para implantar cílios porque sua ausência causa pouca repercussão estética. O cabelo implantado poderá crescer apontado para dentro, e assim irá irritar o globo ocular (chamamos esta situação de triquíase). Portanto, eu não indico implantes de cílios, mesmo em situações de reconstrução pós-trauma.

O transplante para o supercílio pode ser considerado, sempre que os detalhes expostos acima sejam de plano conhecimento. São as seguintes situações em que já realizei este tipo de transplante: casos de queimaduras, ou traumas, ou mesmo em senhoras que têm pouca densidade de pêlos. Tecnicamente, os fios devem ser implantados muito cuidadosamente, para crescerem individualmente e bem deitados (ie. bem angulados) em relação à pele. Caso contrário, os fios crescerão para cima, desordenadamente. Também é importante selecionar pacientes que tenham cabelos lisos e não crespos.

A cirurgia é de caráter ambulatorial (ie. anestesia local e sem internação). Retira-se uma pequena faixa de couro cabeludo da região posterior da cabeça e prepara-se uma quantidade de enxertos. Estes enxertos devem ser muito bem preparados pela equipe de técnicas, com uso de lupas de aumento, já que deverão crescer individualmente e perfeitamente. Depois, passa-se à 2a. etapa, que é o implante de cada um dos enxertos. A duração é de aproximadamente duas horas.

Deve-se salientar que é um desafio imitar a natureza no transplante de supercílio: os fios devem ser implantados com uma angulação bem aguda e muitas vezes a densidade desejada somente poderá ser atingida com uma segunda sessão para aumentar o volume, em período não inferior a 6 meses.